HTML5: a cara da próxima web

Nova versão da linguagem incorpora em seu código funções para áudio e vídeo, APIs e funcionalidades do Flash e Silverlight

Html 5

Html 5

Quem acessa a internet desde seu início comercial – meados dos anos 90 – acompanhou a evolução da rede mundial em diversos aspectos. Um dos pontos que mais sofreu mutações foi a interface: de páginas estáticas e meramente informativas, até interações complexas permitidas por meio de tecnologias como o Ajax. Por trás de todo esse desenvolvimento, está uma linguagem que poucos vêem, mas que é a base de um mundo de páginas da web: o HTML, casamento entre os padrões HyTime e SGML, que surgiu no início dos anos 90.

Depois de mais de dez anos do lançamento da última versão da linguagem, o HTML 4, o Web Hypertext Application Technology Working Group está dando os últimos passos para anunciar a tão esperada versão 5. A último draft foi anunciado no início do ano e as cerca de 500 empresas que participam do grupo devem enviar suas correções e sugestões até o final de junho de 2009. A partir daí, cria-se o padrão de fato para que aplicações e browsers possam se adequar às novas funcionalidades.

Novas funções

“A ideia é que ele seja liberado em 2010. O principal destaque do HTML 5 é a possibilidade de agregar no código comando para áudio e vídeo”, afirma Vagner Diniz, gerente geral do W3C Escritório Brasil, consórcio que define os padrões técnicos a serem utilizados na web. São comandos específicos no lugar das tags quebra-galhos usadas hoje em dia. As famosas object e embed poderão ser substituídas pelas etiquetas e , para inclusão dos respectivos objetos multimídia.

As novas tags trazem funções interessantes de maneira nativa, excluindo a necessidade de embutir elementos externos nas páginas. Funções obtidas com o uso de Ajax, como os movimentos de arrastar-e-soltar itens de uma página, poderão ser chamadas direto do código HTML. “O Javascript faz referência a elementos do HTML. Como o HTML terá novos elementos, então o Ajax também será aprimorado”, afirma Carlos Ceccone, analista de projetos do W3C.

Aplicações baseadas na web também serão mais ágeis, pois menos dados serão requisitados de servidores. O HTML 5 inclui a possibilidade de inserir APIs dentro do código. O acesso local às informações facilitará funções de cache, busca e o acesso off-line de serviços da web. O plugin Google Gears, por exemplo, já é compatível com HTML 5, assim como o Adobe Air. Mas o grande burburinho começou após a apresentação do novo Gmail para dispostivos móveis que já utiliza recursos do HTML5, como pode ser visto na apresentação do VP de engenharia do Google, Vic gundotra.

Diniz também atenta para a limpeza do código. Uma mesma página escrita em HTML 5 será bem mais simples do que a em HTML 4. Para o desenvolvedor, ficará muito mais simples de programar. É possível ver uma comparação de uma página de um blog escrita nas duas versões da linguagem no site Hobo Web.

Outra novidade é a incorporação de funcionalidades de tecnologias para gráficos dinâmicos, como o Flash e o Silverlight. Será possível criar animações com gráficos vetoriais diretamente no código, com o uso da tag <canvas&gt. A web semântica também começa a aparecer no HTML 5 – em vez de enxergar um elemento título, legenda ou parágrafo, a linguagem conseguirá interpretar o conteúdo que está naquela caixa de texto.

Navegadores compatíveis

Mas não basta o padrão HTML chegar em sua versão 5 e os browsers não se adequerem para conseguir a renderização completa das novas funcionalidades. A página na Wikipedia lista não só as novidades do HTML 5, como mostra qual ferramenta já faz a renderização adequada das novidades.

Cada browser tem seu engine ou adota um já existente. O Internet Explorer, inclusive na recente versão 8, utiliza o Trident. O Gecko, da fundação Mozilla, é utilizado pelo browser Firefox, entre outros; o WebKit, desenvolvido pela Apple a partir do engine de código aberto KHTML, é usado no Safári, no Google Chrome e nos celulares Nokia. Já o Presto é a ferramenta do Opera.

O W3C disponibiliza regurlarmente um estudo com comparações entre HTML 4 e 5, na medida em que a recomendação HTML 5 avança.

Fonte

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Acessibilidade na internet, Arquitetura da Informação, Browsers, Tecnologia e sistemas, Usabilidade na internet, XHTML

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s